Gerador de zine

Olá! Seja bem vinde ao gerador de zine. Zine ou fanzine como a gente gosta de chamar. Um zine é nada mais nada menos que um gibi de baixo custo. Algumas páginas de papel dobrada com alguma coisa pra dizer e pronto. Dentro vai ter textos e figuras produzidas pelo próprio autor, grupo de autores, ou ainda roubada de livros, revistas, internet. As pessoas fazem fanzines sobre as coisas mais diversas que você pode imaginar e a graça é você criar o seu próprio, distribuir ou vender entre os seus amigos e conversar com eles a respeito. Abaixo você tem um zine pronto para ser impresso gerado aleatoriamente a partir de conteúdos selecionados previamente pelo Estúdio Daó.

Para montar seu zine, você precisa de uma impressora e 4 folhas de sulfite.

Com esses materiais em mãos:

  1. Clique no botão imprimir abaixo ou no menu do seu navegador;
  2. Você vai precisar imprimir frente e verso. Se sua impressora tenha essa opção é só seleciona-la e seguir as instruções, caso não tenha é só fazer esse processo manualmente. O jeito mais fácil é você colocar primeiro para imprimir todas as páginas ímpares (1, 3, 5 e 7) e depois você vira as folhas, coloca novamente na impressora e pede para imprimir as páginas pares (2, 4, 6 e 8).
  3. Com as folhas impressas é só dobra-las ao meio e seu zine tá pronto!

Obs.: A impressão do zine funciona melhor no navegador Chrome.

ZINE GERADO ALEATORIAMENTE
A PARTIR DE CONTEÚDOS SELECIONADOS PREVIAMENTE

The Cleaners

Giovani Castelucci

Escaner

@guliafagundes______

The Cleaners

Giovani Castelucci

Errar

Editora Melhoramentos

Gino Bartali

Revista Bicicleta

Nesse ano, a morte do ciclista Gino Bartali completa vinte anos. Bartali foi uma das figuras-chave do ciclismo e vencedor de dois Tour de France (1938 e 1948) e três Giro d’Italia (1936, 1937 e 1947).

A grandeza de Bartali, nascida em uma família humilde de fazendeiros da Toscana, não se limitou ao seu poder extraordinário na bicicleta. Em tempos de ascensão do fascismo, Il Ginettaccio, como seus contemporâneos o apelidaram, escolheu pedalar em contracorrente. Quando ele venceu o Tour em 1938, recebeu inúmeras pressões para dedicar sua vitória a Benito Mussolini, que estava ansioso para demonstrar a superioridade italiana em prol do prestígio fascista. Ele recusou, apesar do que não pôde evitar ser usado com frequência na propaganda do regime.

Pouco depois, com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, Bartali tomou uma decisão ainda mais corajosa: transportar clandestinamente, em sua bicicleta enquanto treinava, documentos forjados para ajudar centenas de judeus a se livrarem da morte. Vistos, documentos de identidade, passaportes e todos os tipos de passagens de conduta segura estavam escondidos entre a pintura e o guidão da sela, atravessando as estradas do centro da Itália. Atravessou milhares de quilômetros, e era frequentemente preso e interrogado pela polícia. Ele pedia para a polícia não tocar em sua bicicleta porque ela havia sido calibrada milimetricamente para maximizar seu desempenho.

ESTIMA-SE QUE BARTALI SALVOU A VIDA DE CERCA DE 800 PESSOAS.

(…)

3×4

@giuliafagundes______

Z-L

Guilherme Vieira

A Revolução Urbana

Henri Lefebvre

A forma do espaço urbano evoca e provoca essa concentração e essa dispersão: multidões, acumulações colossais, evacuações, ejeções súbitas.

Motivação pra subir no muro

Carreta Furacão

DIREITO À CIDADE: UMA TRAJETÓRIA CONCEITUAL

Bianca Tavolari

Se a industrialização deixa de ser o motor das transformações sociais, tanto a alienação quanto a luta de classes não podem ser compreendidas como exclusivas do domínio da fábrica e da produção, abrindo caminho para pensar a reificação na vida cotidiana da cidade, em uma nova miséria urbana marcada pelos trajetos casa-trabalho, por uma vida programada e sem espontaneidade, em que a intervenção do planejamento urbano amparado pela técnica contribui de maneira decisiva para acirrar as cisões. E a consequência dessa hipótese é nada menos do que ressignificar o que se entendia tanto por dominação quanto por libertação. Não à toa, o horizonte de emancipação é designado pela expressão “direito à cidade”.

(…)

Apesar de aceitarem os termos em que a questão conceitual prévia é colocada e levarem adiante a crítica ao urbanismo e ao planejamento urbano, ambos mostram descrédito em relação à hipótese central de urbanização completa da sociedade, tida como pouco factível, impossível de ser verificada empiricamente. Inverter a relação entre urbanização e industrialização era um passo que nem Castells, na perspectiva do estruturalismo althusseriano, nem Harvey, cujo contato com o marxismo ainda era recente, pretendiam dar.

São Francisco Xavier

Giovani Castelucci

entrevista concedida ao Grupo Joly

David Le Breton

Ficar em silêncio e caminhar são hoje em dia duas formas de resistência política.

The Cleaners

Giovani Castelucci

Colagem

@giuliafagundes______