Gerador de zine

Olá! Seja bem vinde ao gerador de zine. Zine ou fanzine como a gente gosta de chamar. Um zine é nada mais nada menos que um gibi de baixo custo. Algumas páginas de papel dobrada com alguma coisa pra dizer e pronto. Dentro vai ter textos e figuras produzidas pelo próprio autor, grupo de autores, ou ainda roubada de livros, revistas, internet. As pessoas fazem fanzines sobre as coisas mais diversas que você pode imaginar e a graça é você criar o seu próprio, distribuir ou vender entre os seus amigos e conversar com eles a respeito. Abaixo você tem um zine pronto para ser impresso gerado aleatoriamente a partir de conteúdos selecionados previamente pelo Estúdio Daó.

Para montar seu zine, você precisa de uma impressora e 4 folhas de sulfite.

Com esses materiais em mãos:

  1. Clique no botão imprimir abaixo ou no menu do seu navegador;
  2. Você vai precisar imprimir frente e verso. Se sua impressora tenha essa opção é só seleciona-la e seguir as instruções, caso não tenha é só fazer esse processo manualmente. O jeito mais fácil é você colocar primeiro para imprimir todas as páginas ímpares (1, 3, 5 e 7) e depois você vira as folhas, coloca novamente na impressora e pede para imprimir as páginas pares (2, 4, 6 e 8).
  3. Com as folhas impressas é só dobra-las ao meio e seu zine tá pronto!

Obs.: A impressão do zine funciona melhor no navegador Chrome.

ZINE GERADO ALEATORIAMENTE
A PARTIR DE CONTEÚDOS SELECIONADOS PREVIAMENTE

Fora carros

Escaner

@guliafagundes______

Z-L

Guilherme Vieira

Colagem

@giuliafagundes______

Pernas

Ventre

Aposto que você nem lembra que naquela noite meu olhar era seu
Acho que não sabe tudo o que perdeu

E quando você se tocar

E o cheiro na cama, a marca das unhas em mim
Os gemidos escondidos...
Memorias criadas do que não fizemos

E quando você se tocar
Deixa escorrer pelas pernas
E se perder pelo caminho

E o que esta na cabeça pela ponta dos dedos vai sair
E libertar o que você deseja, o que você espera, ta aí
O gozo vai vir
O medo sair
E o sono bater

What’s going on

Marvin Gaye

Ian MacKaye

Wikipedia

Ian Thomas Garner MacKaye (Washington D.C., 16 de abril de 1962) é um cantor e guitarrista americano. Em atividade desde 1979, MacKaye é mais conhecido por ser o líder da influente banda de hardcore punk Minor Threat, e bandas de post-hardcore Embrace e Fugazi, bem como The Evens. Ele é co-fundador e co-proprietário da gravadora independente Dischord Records, em Washington D.C. juntamente com Jeff Nelson.

Uma figura chave no desenvolvimento de hardcore punk e um promotor entusiasta de uma mentalidade independente (DIY ou "do it yourself" da ética punk), MacKaye trabalhou também como engenheiro de gravação e produtor das bandas 7 Seconds, Nation of Ulysses, Bikini Kill, Rites of Spring, Dag Nasty, Necros e Rollins Band. Junto com sua seminal banda Minor Threat, ele é creditado como o criador do termo Straight Edge, embora ele tenha afirmado várias vezes que ele não tinha a intenção de transformá-lo em um movimento.

Sempre ligado a cena pós-hardcore, MacKaye foi um dos responsáveis pelo fortalecimento das gravadoras independentes nos EUA, adotando uma postura contrário ao mainstream e favorável ao underground. Sobre a letra da música "Dinner With The President" do The Evens, Mackaye declarou:

“E, em Washington DC, ir a um jantar na Casa Branca é considerado uma grandessíssima honra. Mas se você reconhece que o governo federal é também uma indústria nojenta, cheia de segredos escusos e gente enlouquecida com o poder, então essa honra não tem valor nenhum.”

Em 2007 o The Evens fez uma turnê na Austrália durante a qual Amy e MacKaye montaram seu próprios equipamentos e tocaram onde nenhuma banda havia tocado antes.

“Se a internet de fato destruir a indústria fonográfica um dia e devolver a música ao ar, será como ver a União Soviética ruir. E ficarei mais do que satisfeito em ver minha pequena gravadora ruir junto."

BPP

@giuliafagundes______

até quando?

@giuliafagundes______

Reptilianos Malditos

Demonia

Se você não sabe, não tem noção
Que no planeta terra, tem uma organização
Há muito tempo atrás lá no Egito
Vieram numa nave ou se pá num meteorito

Era uma espécie muito mais avançada
Fizeram as pirâmides quando não tinha nada
Controlam nossas mentes, o governo, e o escambau
São os iluminati, a nova ordem mundial

Reptilianos malditos
Vieram pra cá, pra nos controlar
Alienígenas disfarçados
Só o Danizudo que pode nos salvar

Retícula sobre Itamar

Guilherme Vieira

Air Fryer

Amarelo Piscante

VOCÊ TEM QUE COMPRAR
UM AIR FRYER
MAS TEM QUE SER DE MARCA BOA
UM AIR FRYER
NÃO PODE SER FULEIRO
UM AIR FRYER

É UMA REVOLUÇÃO NA SUA COZINHA
É A PANELA DE PRESSÃO
DA NOSSA GERAÇÃO
PRA MIM E PRA VOCÊ
É O CAPITALISMO
SALVANDO NOSSAS VIDAS

VOCÊ TEM QUE COMPRAR
UM AIR FRYER
MAS TEM QUE SER DE MARCA BOA
UM AIR FRYER
NÃO PODE SER FULEIRO
UM AIR FRYER

ISSO É SÓ UM ELETRODOMÉSTICO (8x)

DIREITO À CIDADE: UMA TRAJETÓRIA CONCEITUAL

Bianca Tavolari

Se a industrialização deixa de ser o motor das transformações sociais, tanto a alienação quanto a luta de classes não podem ser compreendidas como exclusivas do domínio da fábrica e da produção, abrindo caminho para pensar a reificação na vida cotidiana da cidade, em uma nova miséria urbana marcada pelos trajetos casa-trabalho, por uma vida programada e sem espontaneidade, em que a intervenção do planejamento urbano amparado pela técnica contribui de maneira decisiva para acirrar as cisões. E a consequência dessa hipótese é nada menos do que ressignificar o que se entendia tanto por dominação quanto por libertação. Não à toa, o horizonte de emancipação é designado pela expressão “direito à cidade”.

(…)

Apesar de aceitarem os termos em que a questão conceitual prévia é colocada e levarem adiante a crítica ao urbanismo e ao planejamento urbano, ambos mostram descrédito em relação à hipótese central de urbanização completa da sociedade, tida como pouco factível, impossível de ser verificada empiricamente. Inverter a relação entre urbanização e industrialização era um passo que nem Castells, na perspectiva do estruturalismo althusseriano, nem Harvey, cujo contato com o marxismo ainda era recente, pretendiam dar.

entrevista concedida ao Grupo Joly

David Le Breton

Ficar em silêncio e caminhar são hoje em dia duas formas de resistência política.